quarta-feira, 3 de junho de 2009

Margarete e suas reclamações

Oi, hoje eu vou contar a história de Margarete. Ela tem 8 anos e está na segunda série, terceiro ano. Margarete era um menina chata, orgulhosa, reclamava muito e era vacilante. As meninas que ela sempre estava junto eram: Roberta, Camily, Andréia e Ana Maria. Um dia ela estava só com a Andréia. Ela falou para as outras amigas: “hoje eu não vou ficar com vocês, porque a Andréia está mais bonita”. Então as duas foram de mãos dadas pra lá e para cá. Até que Ana Maria chegou de bota e não de uniforme. Quando ela viu ela falou pra Andréia: “agora solta minha mão que eu vou lá com a Ana Maria, porque ela está igual a mim toda bonitona, e então agora ela é o meu par perfeito”. Em outro dia Margarete veio de bota e meião, e no recreio ela foi num palco que estava sendo feito lá no pátio da escola. E ela gritou bem alto: “olha minha bota e meu meião.” Para piorar a situação, um dia ela viu uma aluna nova, que se chamava Suzi e Suzi tinha ido à escola de bota, meião, vestido, óculos escuros, pulseiras e colares.” Quando Margarete viu a Suzi ela deixou suas amigas, seu lanche e sem falar nada, só para ir ver Suzi. Agora Margarete era paralisada e não falava nada, ela só ficava olhando o tempo todo para a menina que era a Suzi. Margarete estava sempre de boca aberta também. Ela ficou um mês assim. Depois desse um mês que ela observava Suzi, e conheceu Suzi, ela voltou ao normal mas agora ela não estava junto com Roberta, Camily, Andréia e Ana Maria, ela estava com Suzi. E no tempo de observação de um mês, Suzi ensinou mais palavras de orgulho. E então as duas fizeram amizade. E agora Suzi e Margarete eram as duas chatas da escola. Margarete pediu a sua mãe para ir igual a Suzi de bota, meião, vestido, óculos escuros, pulseiras e colares, e a mãe deixou. No dia seguinte Suzi e Margarete, iguais e de mãos dadas desfilando: “Ai não encosta no meu vestido, ele é novo, eu não quero ficar com vocês, eu não quero aceitar um pouco do seu toddinho, nós somos mais bonitas do que você”, era isso que Margarete e Suzi iam dizendo para as ex-amigas. Um dia outra aluna nova chegou. O nome dela era Daniela. E Margarete nem ligou. Mas passou o tempo e ela começou a observar. Suzi ficou achando o jeito de Margarete esquisito. Margarete só disse para Suzi: “aquela, aquela menina é esquisita. Estou observando ela”. Suzi entendeu e começou a observar Daniela também (que era a menina que Margarete achou que ela era esquisita). Margarete não observou Daniela por muito tempo, só por uma semana. Depois dessa semana, Margarete voltou ao normal. Agora eu vou descrever como Daniela era, porque eu falei que Margarete achava que Daniela era esquisita. Ela tinha uma roupa simples, sapatos simples e era muito amiga. Para facilitar, ela era igual a menina da história: “vista um sorriso”. Voltando a história. Margarete fez a mesma coisa que fez com as outras amigas. Mas, um dia Daniela chegou até ela e disse: “posso falar com você e a Suzi?” “sim?” perguntou Margarete, para Suz: “si, si, sim”, disse Suzi. Então ela começou a cantar para elas (se você sabe cante alto): “tenho amigo que sempre está comigo, tenho um amigo que não vai me deixar, tenho um amigo com quem posso brincar, meu amigo se chama Jesus. Ele é meu melhor amigo só ele me traz alegria, ele está comigo jamais me deixará. Tenho um amigo que sempre está comigo, tenho um amigo que não vai me deixar, tenho um amigo com quem posso brincar, meu amigo se chama Jesus.” Daniela falou a respeito dessa música para elas. E cada dia tinha uma musiquinha pra Daniela cantar e falar a respeito. Por exemplo, a próxima será: “meu Deus é tão grande tão forte, poderoso, pois tudo Ele pode fazer. As montanhas são dele, os vales também, as estrelas e as flores também.” E assim Daniela fazia a mesma coisa todos os dias, até que Margarete e Suzi aprenderam a lição: ser orgulhosa não dá certo. E até a próxima história.

Tchau.

5 comentários:

LaMaFe disse...

Começei a ler esta história para me distrair um pouco, mas a minha atenção e curiosidade aumentaram a medida que a historia continuava. Lembrei do meu tempo na escola primária e de como as coisas acontecem neste período, pois os testemunhos mudam as vidas dos colegas e quebra o orgulho e o preconceito. Obrigado pela história Gi. Fica com Deus e continue contando muitas outras mais.

Anônimo disse...

Adorei a história! Ótima para compartilhar com as nossas crinaças. Valeu!!!!!!!!!

Andréa, Jardim Petrópolis - Maceió

Colle disse...

Nossa, eu gostei muuuuuuuuuuuuuuuuuito dessa história!
Que Deus possa continuar a abençoar para que você continue a nos contar várias histórias divertidas,interessantes e que devem ser aplicadas em nossas vidas!
Pode ter certeza que eu vou repassar essa histórias para as minha amigas!

Déborah Tavares disse...

Adorei seu blog, faz uma visitinha no meu depois tá...beijinho


Déborah

Cinai Machado disse...

Minha sobrinha Isabela tem a sua idade. Ela diz que tem essas coisas também na escola dela. Tem em qualquer lugar. Vou falar para ela visitar seu blog e ler sua história, pode ajudar.
Obrigada Gi.